Conheça os vinhos da Cave de Roquebrun

  • nota1
    nota2
    nota3
    nota4
    nota5
    nota6
  • nota1
    nota2
    nota3
    nota4
    nota5
    nota6
bl

O Domaine

O vilarejo e a cave
Nos séculos XIX e XX, a Cave de Roquebrun dedicou-se principalmente à exploração de videiras. A construção de uma cave cooperativa e o turismo tornaram o vilarejo conhecido e, ainda hoje, reconhecido pelo seu vinho e seu clima. A Cave de Roquebrun, criada em 1967, está situada nos primeiros contrafortes das cadeias das Cévennes no Parque Haut Languedoc, a 35 km de Béziers (Hauts Cantons de l’Hérault). O vilarejo é dominado por sua torre carolíngia, construída no século IX. O ano de 1967 marca a primeira comporta levada à adega de Roquebrun. Mas já há alguns anos que ocorriam, não sem turbulências, ebulições e afrontamentos sobre a ideia desta realização. Foram recenseadas cerca de 150 adegas particulares. Cada viticultor possui seu cavalo ou trator para trabalhar seu vinhedo e faz seu vinho em casa. Um know-how é transmitido de geração em geração, com poucos materiais técnicos e consultorias enológicas. Os resultados são frequentemente aleatórios de um ano a outro, de um proprietário a outro. No entanto, o terroir de Roquebrun é promissor. Ele interessa mais particularmente aos estabelecimentos Nicolas que, com alguns viticultores, fazem testes de vinificação. Os testes falam por si, o potencial qualitativo está presente.
O vinhedo
O clima bastante ameno, associado aos solos de xistos, permite uma floração diferenciada das diversas castas: Syrah, Mourvèdre, Grenache, Carignan (tintos); Roussanne, Grenache Blanc e Viognier (brancos). A Cave de Roquebrun produz todos os anos as Denominações de Origem Controlada Languedoc, Saint-Chinian e Saint-Chinian-Roquebrun, como também em IGP Pays d’Oc e IGP Haute Vallée de l’Orb. A superfície total é de 650 hectares de encostas xistosas, em terraços com exposição total para o sul. O relevo acidentado e as parcelas bastante fragmentadas, bem como a vinificação em maceração carbônica, levaram os viticultores de Roquebrun a continuar com a colheita manual do vinhedo e um grande número de trabalhos de manutenção ainda são realizados nas costas do homem. O trabalho da videira varia com o ritmo das estações. No outono, as tesouras de poda entram em função para a pré-poda e a poda até o mês de fevereiro (poda curta em vaso – gobelet – ou em talões - royat – de acordo com a casta). Os ramos são depositados em fileiras, em feixes ou queimados. Em seguida, ocorre o trabalho de emenda, em função da análise do solo com acréscimo de compostos e de adubos em cada parcela. Os tratamentos têm início desde os primeiros brotos até as vindimas. A atuação de um engenheiro agrônomo, com o apoio de uma estação de meteorologia na vinícola, permite uma exploração racional. No mês de agosto, primeira efervescência nas videiras com uma visita efetuada em todas as parcelas do vinhedo. Cada videira é classificada de acordo com a casta, a idade, o rendimento e a situação sanitária.

A vinificação
Maceração carbônica: A cave de Roquebrun possui uma plataforma de maceração carbônica única. A vindima manual é conduzida para cisternas com vagões de pequena capacidade, o que permite que as uvas cheguem intactas. É a vinificação típica de Roquebrun, que exprime melhor seu terroir xistoso. Aqui são praticadas fermentações do mosto longas, de 20 a 30 dias, em todas as nossas castas de tintos. Desta forma, obtemos vinhos com cores bastante intensas, com aromas de frutas pretas selvagens, muito agradáveis na boca, complexos, carnudos, com um excelente final persistente.
Vinificação tradicional: Nossos tanques de inox de vinificação com tecnologia de ponta permitem fermentações longas, de 20 a 30 dias, com lessivagens diárias que permitem uma extração otimizada de todos os componentes do vinho. Obtemos assim vinhos que refletem o clima ameno e a tipicidade do xisto de Roquebrun. Eles se distinguem por uma robe elegante e intensa, com aromas de pequenas frutas vermelhas, notas apimentadas, de sílex aquecido que acompanham com volúpia taninos sedosos que possuem uma bela persistência.

A produção
Nossa cave de maturação semienterrada e climatizada possui uma bateria de tanques de inox e uma adega de barricas de carvalho francês, com vistas à boa maturação de todas as nossas partilhas em função de sua qualidade em vários meses e anos. A linha de embalagem está equipada com um novo dispositivo de injeção de gás inerte de azoto para uma conservação otimizada dos vinhos. Nossos vinhos são acondicionados com rolhas de cortiça natural. Eles são estocados, no mínimo, de 3 a 6 meses em nossas caves climatizadas. Nós realizamos a totalidade da nossa produção, ou seja, mais de 3 milhões de garrafas e bag in box por ano. Esta produção é vendida na França e no mundo inteiro graças aos nossos parceiros comerciais franceses e internacionais.