LOCALIZAÇÃO

A 200 quilômetros da Torre Eiffel, existe um lugar onde a França é mais francesa. Marcada pelas parreiras que produzem um dos melhores vinhos do mundo, Bourgogne é um resumo da história do país. Castelos antigos, paisagens exuberantes e tradição vinícola fazem dessa região um espaço marcado pela nobreza.

VINHOS

Para apreciar um bom vinho de Bourgogne, é preciso ter sensibilidade e um palato bem treinado. Além disso, por se tratarem de rótulos diferenciados, os vinhos da região necessitam um paladar aberto para a descoberta de novos sabores.

DENOMINAÇÕES

O terroir de Bourgogne é o fundamento para a AOC. Na região, a noção de terroir é um conceito amplo que engloba fatores naturais e humanos. Com efeito, foram os viticultores - muitas vezes auxiliados pelo trabalho dos monges - que descobriram, identificaram e, em seguida, exploraram os terroirs. Foram necessários séculos de labuta, cuja origem remonta ao início da Idade Média, para que esse conceito sobrevivesse ao tempo e fosse oficialmente reconhecido e descrito - em meados do século passado - culminando com a criação do INAO - Instituto Nacional das Denominações de Origem - e das denominações de origem. Atualmente, após mais de 1000 anos, o terroir continua a se afirmar em Bourgogne como um conceito moderno, copiado no mundo inteiro, pois ele representa o veículo dos valores de autenticidade.

TERROIR

O platô do terroir é constituído, antes de tudo, pelo subsolo e pelo solo no qual a videira vai buscar suas substâncias nutritivas. Essa ação cria a alquimia secreta das cores, dos aromas e dos sabores. A Pinot Noir aprecia as terras bastante calcárias e bem drenadas, que darão origem a vinhos tintos leves e elegantes ou vigorosos e encorpados. Já a Chardonnay prefere os terrenos bastante argilosos, onde desenvolve toda a sua elegância e a leveza de seus aromas. É a proporção de argila do solo que determina o estilo aromático dos grandes vinhos brancos secos de Bourgogne. Além do solo, outros fatores naturais como exposição, altitude, profundidade e clima possuem influência determinante na produção dos vinhos. Mas o papel do homem é fundamental na aplicação dos métodos de cultivo nas videiras. Da poda às vindimas, as escolhas de cultura ocupam lugar de grande importância nos resultados de todos os vinhos.

VINHEDOS

O vinhedo possui cerca de 29500 hectares de videiras produtivas de AOC e um volume de colheita próximo a 200 milhões de garrafas comercializadas. O vinhedo de Bourgogne estende-se sobre cinco grandes regiões-chave de produção. São eles: Chablis, Grand-Auxerrois, Tonnerre, Joigny e Vézelay; Côte de Nuits, Hautes-Côtes de Nuits e Châtillonnais; Côte de Beaune e Hautes-Côtes de Beaune; Côte Chalonnaise e Couchois e, finalmente, o Mâconnais.

PARTICULARIDADES

Os “climas” são a expressão típica do terroir de Bourgogne. Termo tipicamente bourguignon, os “climas” são parcelas de terra precisamente delimitadas, com condições geológicas e climáticas específicas que, combinadas com o trabalho dos homens, deram origem a um excepcional mosaico de terroirs. Os “climas” transmitem a cada denominação da região uma personalidade única. No total, o vinhedo de Bourgogne possui mais de 600 climas classificados como Premiers Crus.